Dicas para otimizar os processos de produção

Postado em por Geek Chic ?>

*por Lisandro Sciutto –

A fábrica do futuro está logo ali. Mas para alcançá-la, as empresas precisam lançar mão de um mix que engloba tecnologia, inovação de produto, personalização e capacidade de desempenho avançada. Um dos fatores críticos para isso é o gerenciamento do ciclo de vida de produtos (PLM), que está sendo transformado pela realidade de hoje (desde o design de engenharia por meio da prototipagem e lançamento de produto, até o feedback de consumidores, direitos de garantia e serviços after-market). Por isso, elenco, abaixo, os dez passos para que você acelere o desenvolvimento de uma nova estratégia de PLM.

1. Capacidades de PLM avançadas movimentam sua empresa em direção à fábrica do futuro

Habilidades múltiplas de TI precisam ser utilizadas para tornar possível se beneficiar das tecnologias de ponta com foco em inovação de produto, incluindo colaboração em design de produto, cumprimento da regulamentação e impressão 3D para prototipagem rápida.

2. Supply chain e visibilidade

Inovação de produto acelerada – principalmente em indústrias de alta tecnologia – requer um parceiro confiável especializado em supply chain, para que, com isso, você possa se adequar às tendências, tecnologias e demandas. Seus fornecedores devem ser capazes de contratar ou expandir conforme necessário e adaptar-se às várias expectativas dos consumidores.

Visibilidade em tempo real é, também, fundamental. Assim, você pode monitorar os detalhes de componentes, partes e matérias primas. Além disso, a interoperabilidade com parceiros é a palavra-chave, um passo além da simples conectividade.

3. Inovação de produto e ferramentas de configuração

Em função do crescimento da demanda por produtos altamente customizados, a indústria precisa se apoiar em ferramentas de configuração de produtos. Isso deve ajudar as empresas a gerenciarem a complexidade de variação de designs, cotas de produtos e especificações de produção. Um exemplo é a integração entre portal online e soluções de CAD, que permite aos clientes visualizarem os desenhos: melhora a precisão e acelera a cotação para o ciclo de caixa. A impressão 3D é outra ferramenta que acelera inovação, permitindo a rápida criação de protótipos.

4. Montagem em estágio final

Conforme os clientes demandam cada vez mais produtos ETO (Engineer–to-Order) e MTO (Made-to-Order), os fabricantes estão se voltando para o conceito de montagem tardia ou de último estágio para ajudá-los a gerenciar a tendência de consumerização em massa. Ao desenhar produtos em módulos intercambiáveis, os componentes podem ser fabricados ou colocados em inventário para aguardar o pedido. Quando este chega – seja pelo ponto de venda, portal da Internet ou parceiro de canal – o produto é montado com os detalhes e acessórios adequados, e enviado para entrega ao consumidor.

Um conceito parecido é o de fabricação distribuída, em que as matérias primas e métodos de produção são descentralizados e o produto final é fabricado muito perto do consumidor final. Regionalização é uma tendência crescente, assim como o retorno da fabricação para seus locais de origem – fabricantes, seus fornecedores e subempreiteiros trabalham para formar a combinação correta de proximidade do cliente e uma locação produtiva.

5. e insights de desempenho

A Internet das Coisas vai impactar muitos aspectos da produção, inclusive o gerenciamento do ciclo de vida do produto (PLM). Design de produto e gerenciamento de supply chain parecem guardar alguns dos maiores benefícios potenciais dessa tecnologia em desenvolvimento. Scanners, códigos de barras e GPS já estão sendo usados para monitorar o movimento de produtos no depósito e nos caminhões, durante o transporte até ao cliente. Dados em sensores embutidos em cima, ou dentro dos produtos, proporcionam insights valiosos sobre quando e como estes foram adquiridos e como desempenha quando usado. Sensores embutidos em pacotes de entrega vão oferecer informações sobre a durabilidade, desempenho e interação com os clientes. Além disso, carros conectados já estão coletando dados sobre comportamento de usuário, serviços e performance.

6. A era dos dados

No último século, engrenagens, óleo e vapor dominavam as fábricas. Hoje, porém, dados são a força motora que faz com que a produção moderna tenha um bom custo-benefício. Insights oriundos de Business Intelligence e análise de dados ajudam as empresas a focar em mercados, tendências de compras, características de clientes, custo de matéria prima, tempo e trabalho, e custos operacionais. Detalhes sobre o produto em uso no mercado e opiniões de consumidores são outras informações oriundas dessas análises.

7. Social e Mobile

Líderes de fabricação não podem ficar amarrados a escritórios, mesas e PCs. Eles andam pelo chão de fábrica e tomam decisões in loco, no coração da operação. Eles precisam de acesso 24 horas a dados críticos e sistemas a partir de locações remotas. Isso pode variar de um técnico de manutenção checando inventário até um gerente de armazém utilizando um tablet para confirmar locações de empilhadeiras e pessoal.

Mídias sociais e ferramentas de colaboração também proporcionam suporte crítico à forma como a força de trabalho faz negócios hoje. Atualmente, as pessoas utilizam smartphones, tablets e laptops no ambiente de trabalho para acessar seus dados de forma mais conveniente. Ferramentas móveis e de colaboração devem ser bem recebidas pelas companhias. Vale mencionar que as ferramentas de colaboração são particularmente importantes para design de produtos ETO, nos quais a opinião do cliente é essencial para o sucesso.

8. Agilidade na nuvem

Novos mercados, novas demandas de clientes, compras omnichannel e competição crescente com as startups levam os fabricantes a buscar uma melhora em produtividade e agilidade. Por oferecer desenvolvimento e implementação mais rápidos, soluções em nuvem apoiam as empresas em seus esforços para a contínua oferta de produtos novos e otimizados para mercados alvo em evolução.

As soluções em nuvem permitem que os fabricantes possam facilmente adicionar ramos e instalações de fabricação, além de configurar novos hubs de distribuição, sem a necessidade de investimento em hardware e servidores. A implementação leva semanas, ao invés de meses e as novas instalações podem ser conectadas facilmente.

9. Controle de qualidade de circuito fechado

Métodos de qualidade automatizados são frequentemente usados por fabricantes como uma forma de ajudar a controlar a consistência e valor da marca. Consumidores têm tolerância baixa a variações inesperadas. Os fabricantes estão aprendendo que podem implantar sensores e estão monitorando dispositivos em diversos pontos do ciclo da produção – ao invés de apenas nas inspeções dos estágios finais. Isso ajuda a detectar problemas de não-conformidade logo cedo e minimiza desperdícios. O controle de qualidade é um importante aspecto da estratégia PLM, frequentemente negligenciado.

10. Centralização no cliente

A economia do mercado atual evoluiu para um modelo centralizado no cliente que dá ênfase na entrega ágil, valor do produto e experiência positiva. Consumidores – em quase todas as indústrias ou verticais – são altamente verbais, inconstantes e rápidos para trocar de marca quando sentem-se desapontados. As empresas precisam construir modelos centralizados no cliente, para que consigam fazer previsões e se alinhar às tendências de compra.

*por Lisandro Sciutto, diretor de produtos da Infor para a América Latina

Facebook Comments

Deixe uma resposta